quarta-feira, 20 de abril de 2011

Exposição: MAGULEJO - Crônicas Ilustradas do Nosso Povo


Nossas referências culturais sempre passam pela língua, pelo idioma, dialeto. É na palavra falada que se começam a construir as referências iniciais desse sentimento de pertença que formará um grupo. Subir à Bahia, cruzar o Pará, explorar o Rio Grande do Sul; uma viagem ao Egito, um passeio à França, desbravar a Argentina: seu primeiro impacto será sempre com a palavra.

Mas ter a coragem e a sensibilidade de começar a consagrar um projeto artístico eminentemente visual pelo nome – e por um neologismo – é tarefa para quem quer se transformar em investigador da alma de um povo; e que sabe reconhecer e utilizar a força construtora e reflexiva da arte, expresse-se ela como puder:

Em "MAGULEJO – Crônicas Ilustradas do Nosso Povo", o artista plástico e designer capixaba Wilson Ferreira, natural da pequena e pródiga em talentos  Muqui, começa a cravar suas referências, inspirações, olhares particulares, expressão íntima e ao mesmo tempo coletiva, através da palavra nova que dá nome ao seu projeto. É como convidar o espectador para a bem montada instalação da Sala "Levino Fanzeres", na sede da Prefeitura de Cachoeiro de Itapemirim, e dizer: "-Aceita re-ver-se, a partir desse universo?"

"Magulejo" não está no Aurélio. Nem no Houaiss. Nem no Caldas Aulete. Mas está em mim. E em você. Magulejo é a expressão particular criada pelo próprio artista e que serve de contexto para a busca de um capixaba sem estereótipos; um capixaba transcendente, maior, que está mesmo em processo de busca (porque vive um novo momento e precisa de se com-firmar para além da panela de barro, dos colibris e da Terceira Ponte ao por do sol da capital). A palavra, pura inspiração criativa do artista, remete ao caldo cultural particular no qual o capixaba brotou; e, sonora, tem cores, tem ritmos, tem feições, paladar, tradição.

Partir do verbal abre a estrada para o visual. Por isso a imersão.

E o que o Magulejo capixaba – agora público e, portanto, menos de Wilson e mais nosso – nos revela?

Com a instalação de pinturas sobre madeira, pinturas digitais sobre canvas (corajosamente adaptadas em oratórios negros, que se abrem para saltar as máscaras da Folia de Reis sobre o espectador), serigrafia sobre papel, técnicas mistas com altos relevos feitos em crochês minusiosamente trançados, o criador nos coloca no centro de um baile, de um desfile, nos transformando, ali no centro da exposição, em outras novas interferências a dançar, ou a caminhar pelas ruas; ou a observar escondido as personagens nossas que passam.

Magulejo revira-se em cantigas de roda de tintas coloridas; e também se exalta como povo intimista no bicromatismo do preto e branco; espalhados como em um baile de terreiro a pé descalço, uma procissão mambembe de coloridas máscaras, ou andança à beira-rio vendo o velho mandigueiro e a moça que pesca; a dama do bordel que se exibe em pequenos pedaços - oposta à parede onde o Sagrado se exibe em laranja, azul e amarelo (sem se fazerem todos realmente tão opostos assim).

As tintas vem quase entalhadas, cortes graves com as linhas negras e maleáveis - e não à toa nos remetem à xilogravura (entre nós mais conhecida como a técnica nordestina usada na literatura de cordel). Mas não só aí: na racio e tamanho dos artefatos, na aposição das obras, algo de urbano, grafitagem – arte da rua, e não menos interior-izada.
  
Talvez apenas a sensação de que a instalação careça de um elemento final, ou central, unificador das muitas vertentes. É possível que eu mesmo não o tenha apreendido por se tratar da noite de lançamento, com dezenas (dezenas mesmo) de pessoas compartilhando a atenção entre obras e artista, aquele burburinho sensível – e vital – para o primeiro momento. Talvez seja o próprio título que faça bem esse papel "multimidia": um começo que leva ao final; um final que retorna ao começo. Também por isso garanto meu retorno para uma tarde mais amena de observações. E pode ser que a impressão passe.

Só espero que o recurso de audio que tocava na abertura não saia de lá – com suaves melodias folclóricas, por vezes pífanos entre outros instrumentos, tudo nos remetendo a um saudável regionalismo e a um mergulho verdadeiro naquele ambiente quase cotidiano. Fez parte da imersão.

Nos olhos enormes mas delicados das personages, estamos ali, magulejo, olhando docemente pra dentro e pra fora.

E quem se esconde atrás das máscaras? Eis nossa gente se revelando pouco a pouco.
  
Período: de terça-feira (19) a 3 de junho.
Onde: Sala Levino Fanzeres, no Bernardino Monteiro, praça Jerônimo Monteiro, Cachoeiro de Itapemirim-ES
Horário: 8h às 18h

Acima, "O Boi Biá e a Queda de Eunice".
Abaixo, "A Mulher do Padre".
(todas as imagens: scanners do Catálogo de Exposição)

7 comentários:

  1. Adorei teu texto...
    Deu vontade de visitar a exposição!
    Vai virar crítico de arte?!
    beijo
    Cacá

    ResponderExcluir
  2. Gente que coisa linda! fiquei emocionado, lindo... sem palavras. Acredito que assim possamos nos fortalecer em gestos como este para fortificar ainda mais o nosso "capixabismo ".

    ResponderExcluir
  3. Nossa!!!Perdi o folêgo!!! Você está de parabéns. Não poderia ter encontrado palavras tão sábias e perfeitas para descrever tudo aquilo que Wilson traduz com seu trabalho. Tive a oportunidade de estar presente na Inauguração dessa exposição, e peço licença para fazer de suas palavras...minhas palavras...Beijos Marilia

    ResponderExcluir
  4. INCRÍVEL, que texto I-N-C-R-Í-V-E-L.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. "E o que o Magulejo capixaba – agora público e, portanto, menos de Wilson e mais nosso – nos revela?"
    De fato. Acredito que esse seja o texto que resume tão bem esse trabalho. E por tanto, sabe-se o artista.. que ter dons criativos, tanto quanto ter visão artística e não dividi-la..torna-se um ato de puro egoísmo.O Wilson não só enxergou os costumes, as canções e lendas..ele penetrou no mais verdadeiro do capixaba e dividiu com o mundo.
    A inauguração foi perfeita e a exposição está divina.
    Karina

    ResponderExcluir
  7. "Magulejo" não está no Aurélio. Nem no Houaiss. Nem no Caldas Aulete. Mas está em mim. E em você.

    Isso, é orgulho de ser capixaba.

    ResponderExcluir

Faça parte do VISÃO GERAL você também! Contribua com seus comentários